terça-feira, 28 de julho de 2009

Liberdade Tecnológica?


Assisti hoje uma boa parte da palestra no sesctv sobre: a tecnologia pode democratizar as mídias? Uma palestra não muito recente, porém com discussões ainda válidas e participação de reconhecidos jornalistas que trabalham nessa área e outras pessoas "influentes".
Mesmo voltados para a área de comunicação não pude deixar de interligar com a minha área, o próprio
Marcelo Tas fez um pouco disso também. Até porque acredito que seja vital a relação entre tecnologia e educação, pois ninguém mais vive sem um pouco de tecnologia e "meu" público específico - Ensino Básico - chega na escola com uma quantidade absurda de informações (conhecimento acho muito forte) que precisa ser trabalhada para ajudar na sua aula e, aí sim, se tornar conhecimento.
Eu, que ainda sou muito nova, vivi a explosão da maior revolução já ocorrida na comunicação - como disse o Tas - que foi a Internet e cresci aceitando naturalmente essa incrível mudança porém, a maioria dos professores de hoje participou disso de uma forma bem menos natural, então não tem como aceitarem e entenderem rapidamente. Com isso, ainda temos muitos que não usam as novas mídias ou então usam de maneira inadequada - o que é muito pior. Não estou culpando ninguém e nem generalizando, mas a utilização dos conhecidos recursos dentro de sala de aula precisa ser analisada com cuidado.
Penso sempre na geração que eu irei trabalhar - 2012 - e vejo que serão pessoas que já nasceram em mundo cheio de tecnologias, assim, com uma enorme quantidade de informações acessíveis a qualquer momento. Logo, será impossível - e nem quero - separar minha aula de tudo isso. Por um lado isso ajuda, pois a noção de mundo é muito maior hoje do que a vinte anos atrás, e as crianças estão muito mais ligadas a tudo que ocorre a sua volta. Por outro lado isso prejudica, aí que entra o desafio, primeiro porque o futuro é brilhante e o passado não tem cor. Segundo os questionamentos que são feitos, pois agora a pergunta é: quem possui a verdade, o Google ou o professor? Ainda assim, vejo tudo isso de forma positiva e espero que esses questionamentos meus alunos tenham, pois o professor deixa de ser alguém superior e que não pode ser contestado, no momento que um aluno questiona minha fala com a informação lida no Google ele compreendeu o que eu disse. Tentar, ainda, não ser uma professora - Google também!
Não vou responder a pergunta da palestra, porém acredito que nada é cem por cento uma coisa só. Sendo assim, dentro da profissional que eu pretendo ser, vou procurar trabalhar os dois lados da influência de todas essas tecnologias nos alunos para tentar formar uma pessoa mais completa e que não fique presa totalmente às parafernálias tecnológicas que nos são impostas. E espero com esse texto que todos nós questionemos tudo que usamos diariamente, como nossos próprios blogs, para percebemos se estamos mais livres com tudo isso ou nos prendendo mais e mais.

5 explosões:

Melanie Brown disse...

Cara, vejo esse texto como um grande ponto de interrogaçao também...Realmente esse jato de tecnologia veio pra que??Facilita ou dificulta?!Prende ou liberta?!Ensina ou manipula??!Eu héim...

"O futuro é brilhante, o pasado nao em cor"..
Isso foi forte!! RS

BjOO'

Melanie Brown disse...

Aii que legal!!!Duvido que voce tem mais medo do que eu tinha!!Pra começar vá num dia que não seja um jogo decisivo e com alguem que costuma ir,depois disso voce vai querer ver de perto acompanhada ou nao um verdadeiro clássico, jogo de gigantes... Garanto!
:D

O Profeta disse...

O ultimo sentimento
Perdeu-se no outro lado do espelho
Onde dormem as estrelas?
Talvez sobre a cabeça de um pobre velho

E a Lua de sorriso trocista
Soltou raios de deslumbrante luar
Um amante tece um manto de ternura
Inunda o espaço uma melodia de embalar


Boa semana



Doce beijo

Paulo César di Linharez disse...

Eu vou confessar que minhas reflexões acerca do assunto são superficiais demais pra dar uma opinião mais consistente, mas acredito que tu tocou um ponto que considero importante: o descompasso entre o vivido pelos professores e o vivido pelos alunos. É fundamental que o professor saiba e consiga incorporar elementos da vivência dos alunos às suas aulas. Não pense que compreender a internet vai ter ser suficiente, ehehehehe
outros novos desafios se te mostrarão e saber como solucioná-los que vai te tornar a boa professora. Pensar assim já é um caminho para vencer esse constante descompasso.

Raysa disse...

É muito bom o seu questionamento a respeito da liberdade que a tecnologia pode nos trazer. É legal também perceber os metódos de ensino sendo mudado aos poucos sempre analisando as várias possibilidades. Também acredito que a união da tecnologia ao ensino tradicional podem se complementar de forma positiva. Penso que será uma grande profissional no futuro. Parabéns pelo o bom texto e a sua capacidade de despertar opiniões. ;D