segunda-feira, 1 de junho de 2009

Ela's


Lá estava ela, no meio de sentimentos cansativos e guarda-chuvas frenéticos continuou sua caminhada até um amontado de gente esperando a mesma coisa que ela, aquela espera a trouxe de volta ao que estava acontecendo ao redor, deixou de lado a dor de cabeça e apertou os braços com a sensação de frio até relaxante mesmo percebendo a blusa toda molhada. Entrou naquilo que a deixaria em casa, ou pelo menos próxima de casa, e sentiu uma estranha sensação de claustrofobia foi quando a percebeu novamente, dominando as janelas fechadas. Se voltou para si e sentou para ser embalada, mais uma vez, por ela. Durante o longo caminho, pequenos sonos e sonhos se juntaram ao barulho tranquilizador dela. Após a descida para mais uma espera ela já tinha ido e só sobrou Ela, foi quando todas as sensacões cansativas do começo voltaram e a dor de cabeça aumentava e as pernas esfaleciam e os olhos fechavam. Quando, finalmente, chegou em casa controlando seu stress passou a mão nos cabelos presos e voltou a senti-la, então foi banhar para lembrar d'Ela.


Que essas - e outras - pequenas coisas possam ajudar a todos para uma vida mais tranquila, como fez comigo hoje.

4 explosões:

Melanie Brown disse...

MuiiiitO bom!Profundo e triste, a leitura me levou a claustrofobia junto com ela...

Me lembrou uma lertinha da Avril Lavigne, que eu nao lembro agora...

bjO'

Fernanda Mel disse...

Eu nao entendi muito bem qual era a D'Elas e quem era quem, mas a clautrofia das janelas fechadas a dor de cabeça em veículo em movimento me fez lembrar de mim mesma!

=D

Beijo.

Melanie Brown disse...

As vezes é bom que faça sentido, sentido pra quem??!E... surgiram muitas perguntas, o importante é que se escreva!!

disse...

Adorei. Não entendi quem é Ela, mas gostei do texto e da chuva... Beijos.